Translate this Page

Rating: 2.0/5 (3348 votos)




ONLINE
9




Partilhe esta Página





Busca OPortal

Clique⇒ mapa do site avançado
           Buscar no freefind

Email OPortal

oportal@oportaldateologia.org

cornelio.a.dias@oportaldateologia.org

 https://files.comunidades.net/oportaldateologia/setad.gifFacebook   

Últimas Edições 

11. Noe: Agenda Satanica de Hollywood Novo 

10. A verdade sobre o vinho na bíblia  

9. Papa acusado de heresia e a possível renuncia 

8. Microchip chip sob a pele: maldição ou bênção? 

7. Admirável mundo novo Leia 

6. Como será a vida no futuro Leia

5. O Mundo pós-covid Projeto diabólico Leia

4. Teoria da Conspiração e o humano QR-Code Leia

3. As máscaras o covid-19 e a engenharia social Leia

2. O que é o id 2020? O ID2020 é a Marca de Besta? Leia

1. A emergente reascensão da escatologia. Leia

 


 

 

A santificação sob a perspectiva da bíblia-introdução: Aqui

 

 Edição em destaque

 

Parte Final

 

 

 

Leia

atualização de 31/12/2020  

Ychzek'el

 

9.  3 - 4

3: Então a Glória do começou a se levantar sobre o Keruv, desde onde ele estava até a entrada da casa.

Ele chamou o homem vestido com roupas de linho, o qual tinha equipamento de escribas em sua cintura. 

O Deus de Yisra'el começou a se levantar sobre o Keruv, desde onde ele estava até a entrada da casa. 

 

Ezequiel  

 

9.  4. 

Adonai lhe disse "Vá por toda a cidade, através de toda a Yerushalayim, e ponha uma marca em sua testa como a de um homem [Cristo] que está suspirando e chorando por todas as práticas odiosas que estão sendo cometidas ali".

 

 

Bíblia Digital PtBr no PC


Ensaio Teológico II - A Ética Evangélica
Ensaio Teológico II - A Ética Evangélica

ENSAIO TEOLÓGICO II A ÉTICA EVANGÉLICA

 

Cornelio A.Dias Edição 01-07-2013 - publicação - 15:40:54-21:01:19

 

 Tema do Ensaio: 

 

A Ética Evangélica tem se tornada antagônica e ambígua em relação a conduta cristã da Igreja? 

Introdução: 

O..... ethos não é um termo comum no vocabulário cotidiano da sociedade brasileira. A compreensão do seu exato significado não parece despertar a curiosidade no segmento alfabetizado brasileiro e a aplicação dele na dialética do senso comum não é observado.

O termo de origem grega ao ser traduzido para o latim, o seu significado não ficou bem definido; e isto abre margem para as mais variadas interpretações; o termo tem uma semelhança com o termo mores, moral em latim, e quando se inicia qualquer dialogo que aborde o tema moralidade, a ética quase que inevitavelmente vem à tona.

Para se estabelecer um embate inteligível é necessário antes de tudo definir uma linha de raciocínio lógico para conduzir o dialogo, à se obter um consenso, por que de outra forma tornaria se obtuso e daí não se pode chegar a denominador comum, portanto se torna infrutífero.

A linha de raciocínio empregada na elaboração do ensaio não declina muito do seu radical, pois é aplicado no sentido de hábitos e costume sob a ótica visionaria de conduzir”; visto que ao retratar sobre hábitos e costumes, estamos entrando diretamente no campo da conduta.

Se a conduta é o ato ou efeito de conduzir um grupo de pessoas para um lugar; o termo é sugestivo, visto que assunto que vamos abordar no ensaio é justamente este, o de como a ética evangélica tem se tornada antagônica e ambígua em relação a conduta cristã da Igreja.

A conduta da Igreja está diretamente sobre a jurisdição dos seus representantes, que por sua vez tem um compromisso pessoal com a ética moral, que está diretamente ligada aos costumes e hábitos individual; ante o legado que lhe foi outorgado. Se não refletir transparência nos atos individuais destes, o corpo que está sob está cabeça padecerá grandes aflições e pode comprometer o seu destino final. 

1. A ética é um termo que sempre foi pauta da dialética que tramita no embate religioso sobre a  maneira correta da vivencia cristã da Igreja.

Antes de explorar o tema do ensaio, é importante abordar superficialmente sobre o significado da expressão, visto que ela sempre faz uma coligação com o significado literal do que é a moral.

Os dois termos quase são quase inseparáveis, mas, quando se tenta entendê- los isoladamente, acabamos por dizer a mesma coisa usando palavras diferentes. Teoricamente a palavra ethos é uma palavra grega que significa "caráter" (qualidade inerente a um indivíduo) que é usado para descrever as crenças orientadoras ou ideais que caracterizam uma comunidade, nação ou ideologia.

Por outro lado, ética significava também éthos, remetendo-nos para a questão dos hábitos, costumes, usos e regras, o que se materializa na assimilação social dos valores. É bem provável que o termo (ética) possa ter sido originado de uma tradução não exata para o latim, da palavra “moral”, tal a semelhança do sentido que ambos expressam ou que quase tem o mesmo sentido. Fica sempre como uma expressão subentendida.

Vou referir me a ela (ética) neste estudo no sentido de hábitos e costumes.

Atualmente o cenário cristão atual tem despertado o interesse geral na sociedade evangélica sobre a necessidade de se discutir a influencia da ética evangélica na formação de um conceito de uma vida cristã digna de representar a Igreja como Corpo de Cristo.

A definição de ética evangélica ou cristã deve partir do principio fundamental de que a ética é o conjunto de costumes e hábitos que norteiam a conduta cristã que estabelece o padrão ideal sobre o que é e o que não é lícito ou conveniente e não realizar ou praticar; esta dever ser à base de definição de Ética Cristã, e este é o parâmetro mais apropriado do termo a se aplicar em como se deve interpretar a ética evangélica.

Assim sendo, é razoável aplicar este sentido de ética também a teoria do comportamento do homem na sociedade, a ética evangélica é justamente a teoria do comportamento do cristão inserido na sociedade temporal com aspiração para a atemporal. Esta porem de cunho não estritamente social, mas, sim religioso-espiritual, cujos antigos conceitos informais do ethos social foram reavaliados e aplicados na conduta temporal; ou seja, aquela errônea conduta de vida e de concepção de certo ou errado, bem ou mal que refletia no modelo anterior de vida, que se recusava a aparecer sob uma forma definidamente renovada na nova criatura, tornou se real, evidente; manifesto, irrefutável e categórico; explicitando o efeito direto do poder transformador do Espírito sobre a velha estrutura do homem do pecado.

A ética é na verdade um labor intelectual de decisões que desemboca na moral que é o resultado final da pratica destas decisões; defino assim, para distinguir as duas grandezas. A ética pode ser definida por um conjunto de regras e normas enquanto que a moral é representação pratica destas regras produzidas pelas decisões.

O desafio de um cristianismo ético é na realidade a obrigação do cristão apresentar se para o mundo como um espelho d’água a refletir Cristo em sua vida, porque o evangelho libertador deve a principio ser pregado a partir do seu próprio exemplo de vida, porque Cristo a cabeça da Igreja influenciou a humanidade através da sua conduta irrepreensível diante dos homens. Não bastou somente o seu ensino verbal e nem o seu exemplo de vida irrepreensível, mas, ainda foi lícito que Ele, padecesse na carne os anseios de um povo sofredor, sem esperança, perspectiva de presente e futuro social, político e religioso.

A sociedade contemporânea está experimentando a mesma sensação que afligia a sociedade judaica dos primórdios do século I, visto que não conseguiam assimilar como a vontade divina pode ser expressa na realidade humana; se os atuais representantes da Igreja que deveriam ter o compromisso como formadores de uma ética sem macula, mas, que na verdade, estão sendo traído por ela; isto gera conseqüências negativas para instigar a sociedade a rever seus conceitos, seja como cidadãos bem como participantes do segmento cristão!

O labor de hermeneutizar uma mensagem implícita que aborda os fundamentos da ética para uma linguagem coloquial é altamente complexo; devido a sua própria significação, um orador, escritor ou um pensador, pode despretensiosamente transformar algo inteligível em uma confusa incógnita, e isto é perceptível, se friamente analisarmos certos discursos produzidos por diversos pensadores; que ao final da sua oratória ou do estudo produzido, sendo que nem o próprio consegue chegar a uma conclusão lógica.

Observe abaixo para analise, o trecho de um dos textos bases na integra:

[...] A integralidade da salvação divina demanda a integralidade da missão e a integralidade da ética. Uma ética integral é uma ética multi-dimensional, focada na futuridade do Reino: dimensões cósmica, ecológica, global, nacional, regional, local, institucional, profissional, pessoal. Na prática, mediante o exercício do discernimento, cada pessoa e cada comunidade cristã (movimentos, instituições, etc.) estabelecerá as prioridades de sua ação missionária e, conseqüentemente, de sua ética. 

A partir de uma teologia discernidora, nutrida pelo Espírito de sabedoria e discernimento, a comunidade cristã poderá definir prioridades da ação face à integralidade da missão, levando em conta seus recursos, possibilidades e contexto de atuação: p. ex., poderá priorizar a ação contra a pobreza e a fome, ou a questão da falta de sentido de vida para a juventude (65% dos consumidores de drogas são jovens de classe média e média alta; a maioria das vítimas de assassinato são jovens de classes C, D e E, etc.), ou a questão do reconhecimento dos direitos de minorias, ou a defesa do meio-ambiente, etc.

A teologia da missão integral, como expressão da resposta cristã à missio Dei, ajuda a comunidade cristã a discernir as prioridades e dimensões da integralidade da ética cristã, possibilitando-nos reconhecer os desafios mais urgentes para a ação ética.[...]

Vou abrir uma ressalva para inserir um pensamento: O Projeto de Missão Integral e a Globalização são nutridas dos mesmos ideais igualitários, teoricamente ambas as linguagens coadunam com os objetivos finais, mas, historicamente são antagônicas. A diferença entre os projetos começa pela dialética constante que a globalização tem a seu favor, que é o raciocínio lógico numa linguagem compreensível, enquanto que assuntos que envolvem o Projeto de Missão Integral, a ética cristã, a teologia evangélica, dificilmente será produzida sem a utilização da linguagem erudita e versátil. Encerrando a ressalva, é passível de uma única mente pensante se produzir a redundância bem como pode aplicar a um termo, diferentes formas de definições e excedentes interpretações; e para auxiliar na compreensão de raciocínios assim, é necessária a intervenção do Espírito de sabedoria. 

Se a ética evangélica pode ter se tornada antagônica e ambígua em relação a conduta cristã da Igreja, a resposta é afirmativa.

Não se conduz a Igreja no caminho estreito da salvação andando a passos largos no caminho para a perdição, isto é o principio da ética evangélica.

A ética cristã no segmento evangélico brasileiro tem duas linhas de interpretação, se correlacionarmos os dois segmentos de profissão de fé no Brasil de maior expressão.

Um segmento é o protestantismo o outro é o pentecostalismo e a estes dois eu não somo o neo-pentecostalismo, porque conheço os dois segmentos e seus fundamentos, portanto na minha concepção não existe neo-pentecostalismo. A este segmento retrato-me como denominações independentes.

Estas denominações independentes são uma mescla dos dois pioneiros movimentos, e relaciono me a elas como Igrejas independentes.

Estas que pertencem a este terceiro segmento é um subproduto das teologias, reconhecidas pelos protestantes e avalizadas pelos órgãos superiores de ensino acadêmicos de teologia.

Para fins de estudos e pesquisa acadêmica utilizo o termo neo- pentecostalismo, para minha produção literária individual não.

Sou autentico nas minhas próprias convicções, agora com propriedade adquirida pela formação acadêmica de teologia.

Para autenticar este movimento como novo pentecostalismo é necessário conhecer profundamente o verdadeiro conceito de pentecostalismo, o radical, os efeitos e a sua tradição, bem como ele se manifesta na pratica doutrinaria e litúrgica.

Um protestante para obter propriedade para classificar um segmento com neopentecostal precisa antes se tornar um pentecostal, submeter a transformação que ele exerce sobre a pessoa, estudar os fenômenos experimentados e por fim tirar a sua conclusão, esta experiência não se adquire por meio de estudo ou pesquisas, tem que ser vivenciado.

No exercício da fé cristã sabe se que o protestantismo e o pentecostalismo são completamente divergentes. 

Esta divergência deve ao fato de como surgiram as Igrejas que fazem partes destes dois segmentos.

Da mesma forma que a origem da teologia transita entre o protestantismo e o berço catolicismo, as denominações protestantes também nasceram das reformas; e as reformas não foram no segmento pentecostal visto que nem mesmo os pais da Igreja “protestante” conhecem a origem da Igreja pentecostal. Algumas denominações reclamam para si a paternidade do pentecostalismo.

Ambas são partes que formam a Igreja de Cristo, isto deve ser observado, porem elas muito em comum alem da fé confessa.

A ética é antagônica em vários aspectos da conduta cristã, e isto pode ocorrer pelas formas que os segmentos religiosos cristãos surgiram.

Se a definição de ética evangélica atribuirmos o sentido de hábitos e costumes, não há necessidade de fornecer detalhes, os três segmentos mais influentes do cristianismo brasileiro falam por si só, a saber: o pentecostalismo, o protestantismo e o neo-pentecostalismo.

O antagonismo nesta linha de pensamento se dá pela forte oposição de idéias, os diferentes sistemas religiosos, e outras divergências tais como as doutrinarias, litúrgicas e teológicas, que são toleráveis e não se torna uma ameaça à existência de nenhuma delas.

É ambígua porque a leitura que se faz dos mandamentos Bíblicos tem conotações diferentes, ou seja, duplicidade de sentido, e este fenômeno aplicam se da exegese a hermenêutica tanto dos textos Bíblicos como da definição dos parâmetros doutrinários.

Uma mesma questão pode ter compreensões diferentes, e estes diferentes ponto de vista é o modus vivendi que impera nos três segmentos religiosos, pentecostalismo, protestantismo e neo-pentecostalismo que juntos formam o cristianismo no Brasil. 

Observe um exemplo de ambiguidade ética influente na filosofia do cristianismo brasileiro: 

1. O que é preciso fazer para herdar a salvação? 

Protestantismo

      1.  Crer no Senhor Jesus e ser batizado, será salvo.

      2.  Não basta somente crer e ser batizado, sem a santificação não há salvação.

      3.  Somente pela fé podemos herdar a salvação.

      4.  Pela graça sois salvos, mediante a fé.

      5.  Nda

         

2. O que é preciso fazer para herdar a salvação? 

Pentecostalismo

      1.  Crer no Senhor Jesus e ser batizado, será salvo.

      2.  Não basta somente crer e ser batizado, sem a santificação não há salvação.

      3.  Somente pela fé podemos herdar a salvação.

      4.  Pela graça sois salvos, mediante a fé.

      5.  Nda

         

3. O que é preciso fazer para herdar a salvação? 

Neo-Pentecostalismo

      1.  Crer no Senhor Jesus e ser batizado, será salvo.

      2.  Não basta somente crer e ser batizado, sem a santificação não há salvação.

      3.   Somente pela fé podemos herdar a salvação.

      4.  Pela graça sois salvos, mediante a fé.

      5.  Nda

Parece insignificante, mas, não é; uma aparentemente simples questão fundamenta um sistema teológico totalmente distinto e complexo, cuja retrospecção histórica retroage a um ponto X em comum, neste caso, o inicio da Igreja; e a ética conforme a tese em que ela se apropria e se aplica na condução do povo a um objetivo, torna se uma combinação ambígua e antagônica produzida por diferentes pontos de vista, que varia da ótica da visão até a interpretação que se faz de único saber existencial.

Se a ética evangélica pode ter se tornada antagônica e ambígua, fazendo uma releitura do conceito aplicado neste ensaio, e mudando para o foco pejorativo da conduta moral da sociedade, a resposta também é afirmativa.

Temos que refletir racionalmente e atentar para não criar um paradigma que venha estigmatizar a ética cristã, porque se padronizarmos a ética cristã e a ética moral e um único conceito, podem cometer disparates irreparáveis; se a ética cristã percebe- se um cristianismo onde a igreja demonstra se preocupada com fatores estritamente sócio-moral, como ações que caracterizam desvios de conduta, como a pratica de pedofilia, lei da homofobia, aborto, pornografia, divórcio; temos que admitir antes de concluir, que estes casos de desvios de conduta, é reflexo deturpado da moral individual; não da ética evangélica.

Não podemos confundir a ética evangélica com a ética moral, a não ser quando ela é coletiva; por exemplo, se um segmento cristão defende um conceito como os citados no parágrafo anterior como pratica legal da Igreja, ai sim pode afirmar que a ética evangélica está realmente comprometida. Por motivo de integridade intelectual, não se podem menosprezar esses assuntos.

A liberdade de expressão, não pode se opor aos princípios da santidade da vida humana cristã, a pureza sexual e a importância do matrimônio são valores inegociáveis do cristianismo.

Estas iniquidades devem ser combatidas pela igreja, e temos motivos de fato para nos preocupar. É natural que uma inquietação mova a maior parte da igreja, porque essas não são as únicas transgressões que a Bíblia denuncia e condena; há iniquidades gravíssimas quanto às supramencionadas, mas elas não estão passando despercebidas; é prudente e necessário ser analisadas pela critica da razão e não pelo calor da emoção; estas deturpações têm se disseminado, mas, não é um quadro crônico no Brasil.

Portanto a ética evangélica não pode ser responsabilizada por fatores desta gravidade, muito afirmar que ela está comprometida a tal ponto não de não tem mais forças para restaurar a dignidade cristã. 

Solução imediata para estes casos nunca haverá, são reflexos individuais da humanidade, e que se há de fazer é combater os focos existentes, para não comprometer o prestigio que a fé cristã construiu durante o tempo de existência da Igreja. 

Conclusão: 

A ética evangélica, a moral e a social vêm sendo exploradas através dos expositores do pensamento de forma a criar uma verdadeira balburdia intelectual, e isto só não tem maior projeção porque ela é produzida por uma minoria insignificante se compararmos ao senso religioso que forma a sociedade cristã. A sua linguagem erudita e versátil confunde até as próprias mentes idealizadoras do saber teológico e filosófico.

Há quem culpa a ética pelos distúrbios sociais, políticos e religiosos ou é ela que vai transformar as sociedades numa justa harmonia, e ate há quem pensa que a ética evangélica deve mudar a nacional e cultural.

A confusão fica ainda maior quando ela vem precede ou procede a uma frase em latim do tipo “ecclesia reformata et semper reformanda”, se esta frase remete ao pensamento de reinventar um novo conceito que transforme a Igreja numa ideal para o padrão cristão, não tem relação nenhuma com a ética, e se ela indica que o agente da reforma não é ela própria, mas, sim o Espírito de Deus, nada tem haver também; e ética deve ser entendida como um mecanismo que conduza a Igreja para o alvo que a destina que é o encontro com o seu fundador, que não é Pedro, portanto ela deve agir como preparativo espiritual, que é uma forma de aprendizado, que necessita obedecer e cumprir regras, renunciar e abdicar de costumes malévolos a saúde espiritual, e desempenhar a função que ela devia, mas, que não cumpre, que é o de explicitar, o que o pecado tem em comum com os costumes e hábitos, (social, político, e cultural).

Se o cristão deve ser diferente dos que não são, é publico e notório que o estilo de vida dele deve ser diferente dos demais, e isto se expressa através dos hábitos e costumes que ambos tem em comum. 

Se para alcançar a salvação basta aceitar a Cristo e ser batizado, até aqui, não vejo nenhuma diferença; porque até então subtende se que toda as pratica do cristão são semelhantes ao do outro que não é, então não houve regeneração e nem mudança hábitos, renascimento de quem recebeu a graça pelo batismo ou pela penitência se resume em apenas um mergulho em nome do Pai, do Filho e Espírito Santo.

E aqui é quer verdadeiro campo de atuação da ética evangélica; e não mudar o seu discurso para criação de projetos sociais, reconstrução da sociedade, interferir diretamente na política para mudar os rumos da humanidade, porque estes desígnios pertencem a Deus.

Nem o próprio Cristo veio para mudar; ele veio ensinar uma maneira com agradar a Deus e como recompensa por isto herdar a salvação; isto quer dizer que existe na verdade um outro lugar, que ele não aconselha que para não ir, e que justamente o que a maioria não acredita que existe.

Gostaria que a definição de ética não fosse nada disto, porque se não for, nada vai me convencer a aceitar uma outra realidade que não seja esta; a de que devo conduzir as pessoas a realidade de que para tudo há um preço a se pagar, e é sobre este preço a pagar é que devo ensinar como fazê-lo; isto é conduzir à algum lugar, isto é ética. 

Imagem:  1 https://www.slideshare.net/nstearns/ethos-40311017 

 

Em Cristo.

 

Shalom.

 

"Feito perfeito, é imperfeito; como criação, o meu eu; natureza humana! C. A. Dias. 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
Ensaio Teológico II - A Ética Evangélica -  por Teologo Cornelio A.Dias está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Não Comercial - Sem Derivações 4.0 Internacional. Baseado no trabalho disponível em http://oportaldateologia.no.comunidades.net/ensaio-teologico-ii-a-etica-evangelica Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em mail oportal@oportaldateologia.org

newline oportal

Mais lidas 2021-22

1. A Porta da Salvação. Leia

2. O Pão nosso de cada dia. Leia

3. Televisão: O olho mágico da besta. Leia

4. O que é heresia? Leia

5. Tecnologia 5G e o olho que tudo Vê. Leia

6. A era da sociedade charagma.  Leia

7. Plano dos Illuminati rumo a Nova Ordem Mundial.  Leia

8. A chegada não reconhecida do falso profeta. Leia

9. Nova Ordem Mundial conforme a Bíblia. Leia

10. O que é o Anticristo? Quem será Ele? Leia

11. O anticristo conforme a bíblia. Leia

12. Como será a vida no futuro: Leia

Destaque OPortal

A chamada no gif abaixo visa alertar sobre um grave evento que vai acontecer:

São elementos ardentes que se fundirão sobre terra: Cuidado!

Os corpos celestes explodirão sobre a atmosfera e cairá sobre a terra como chuva de pedras fogueadas. Haverá terrível destruição.

Tema Central d'OPortal

Leia

A falsa doutrina da pré-tribulação

Link

Questione-se: 

Conforme cita a bíblia qual é das doutrinas a que julga ser a mais viável pra você  biblicamente? 

Mezo-tribulação 

A Igreja será arrebatada ou não no meio da tribulação?

Pós-tribulação   

Em qual delas a Igreja de Cristo vai ser elevada?

Pré-tribulação  

A Igreja ela não verá este juízo que  virá sobre a face da  terra.

Qual é a certeza de que não vai estar aqui neste dia mais terrível da humanidade ?

Reflexão 

O Portal

 texto flutuante

  

       


Reflexão!

2013 - 2022

O oitavo rei

A besta do mar conforme descreve a profecia de:  Ef: 6 - 11 - 13.

ela faz referência às duas principais hierarquias do reino do mal que domina o mundo físico e espiritual desde a origem do pecado no Éden.

São eles os: “Os principados” que são as ordens celestiais malignas superiores constituídas por demônios de todas  e as hierarquias ou seja; é uma casta formada pelos seres que eram  dantes angelicais que foram lançados na terra quando o ex-querubim lúcifer intentou usurpar o trono de Deus; estes são as miríades ou legiões enquanto que as "Potestades"  são as classes humanas de governantes que regem os países do mundo sob o domínio secular de controle espiritual total do demônio; como por exemplo o falso profeta que ou a besta do mar e o anticristo a besta da terra e os demais reis tirânicos existentes! Conforme rege:

2 Corintios 4:4Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. 

O sangue inocente "de muitos cristãos" ainda terá que ser derramado no mundo até que o último fiel seja morto na terra pelo crime hediondo de servir a Deus e confessar Jesus como Cristo Rei e Senhor conforme registra

Apocalipse 6: 9 -11: que diz:

9: E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.

10: E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo e Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue e dos que habitam sobre a terra?

11: E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que hão de serem mortos  como eles foram.

São soldados do Rei dos Reis todos aqueles que pela sua fé em Cristo forem perseguidos e mortos no mundo pelo exército de satanás nesta antiga batalha espiritual entre o bem e o mal; por não se prostrarem diante das potestades da terra prestando lhes adoração e submissão total as suas leis, que são:

Os fiéis; os cristão guerreiros que serão presos; feridos ou mortos nesta guerra espiritual secular que virá com força total sobre a terra contra os soldados do Deus altíssimo.

Os que forem mortos; estes não vão ser laureados com medalhas de sangue como fazem os exércitos seculares; e "nós" os que provarmos o dano da primeira morte na terra; vamos receber uma Coroa de Glória com os nossos nomes gravados nelas e reinaremos com Cristo por toda a eternidade; na Nova Jerusalém que descerá do céu e ocupará o espaço físico desta terra pois ela será lançada no lago de fogo e enxofre no Juízo Final após o governo milenar de Cristo aqui no mundo; por toda eternidade!

A Nova Ordem Mundial através do Falso Profeta já está em plena e intensa atividade e teve inicio em 2013 com a "assençao" do ultimo Papa do Vaticano; que cumprirá o seu dever com todo o rigor. A sua marca já está sendo aceita é voluntariamente por muitos nos países no mundo e já estamos no tempo em que ela vai ser obrigatória para todos!

E quem quiser livrar-se "desta lei que será a pior perseguição que já houve na terra terá que aceitar a marca para poder comprar ou vender e ter a liberdade em troca pela sua alma!

Revelação 13. 1 – E vi uma besta que saia do mar, [...] 2 [...] O dragão lhe deu seu poder, seu trono e grande autoridade.

4. Eles adorarão o dragão, porque dera a sua autoridade à besta [...] Foi-lhe dado poder para guerrear contra o povo santo de Deus e derrotá-los.

10. Se alguém há de ir para o cativeiro, para o cativeiro irá! Se alguém há de ser morto à espada, morto à espada haverá de ser!”“.

O oitavo rei ele é a besta do mar e o falso profeta do Apocalipse 18:2 que assumiu o trono da perdição em 2013 no Vaticano cujo País é a Babilônia “espiritual” no mundo secular. O número que ele simboliza é o: 6 6 6; o ultimo Papa.

O Rei dos reis será o próximo e estará voltando a qualquer momento conforme os sinais biblicos forem se cumprindo; como por exemplo a marca da besta que no metaverso que já é real no universo que excede as barreiras físicas do mundo real no caminho de um verdadeiro mundo virtual.

Portanto: espere por Ele mesmo que isto vier lhe custar à sua própria vida.

Oriente-se!

Março de 2013 ⇔ 2022

Por: Cornelio A.Dias

 

Assista este vídeo

https://www.dailymotion.com/video/x6e2rcw

https://www.dailymotion.com/oportaldateologia

Pré-tribulação

O futuro do mundo

Nas Mãos Do Governo

Documentário 

Aqui

Pré-tribulação

Aqui

 

 

Clique aqui em:

 

 

Bíblia Online e Seleção de Louvores

 

TAU_ORIGINAL_PORTAL.png  

 

 

 

IMAGEM TEXTO